Capacitação em pegada de carbono e pegada hídrica

Equipe da iniciativa CiViA promove capacitação das empresas membro nos métodos de pegada de carbono e pegada hídrica para desenvolvimento de projetos aplicados no ciclo 2018 06/06/2018
COMPARTILHE

Por Matheus Fernandes

A CiViA realizou mais uma capacitação no início do ciclo 2018, desta vez nas técnicas de pegada de carbono e pegada hídrica. Nos dois dias de atividade, estiveram presentes 13 pessoas, de 7 empresas membro. O conteúdo abordado é um aprofundamento da capacitação de Avaliação de Ciclo de Vida (ACV) realizada em abril deste ano e contemplou os conceitos, técnicas e ferramentas específicos para carbono e água. 

A capacitação que aconteceu dias 16 e 17 de maio teve como objetivo permitir que as empresas saíssem aptas a desenvolver seus projetos aplicados, ou seja, sabendo como calcular a pegada de carbono e hídrica de seus produtos. Para isso, além de apresentar conceitos básicos e compartilhar recentes desenvolvimentos em cada técnica, os participantes trabalharam com o software OpenLCA,  colocando em prática alguns aprendizados teóricos ao fazer o cálculo das pegadas.

Saiba mais sobre o conteúdo abordado:

Em pegada de carbono foram trabalhados dois tópicos principais, emissões biogênicas e mudança de uso da terra (MUT). As emissões biogênicas são aquelas emissões de gases de efeito estufa (GEE), principalmente o dióxido de carbono (CO2), que ocorrem dentro de um ciclo curto de remoção e emissão dos gases. Um exemplo clássico é o dos biocombustíveis, em que a emissão do CO2 durante sua queima pode ser considerada nula pois o gás já havia sido absorvido através da fotossíntese durante o crescimento da matéria prima. Ou seja, as emissões da queima são consideradas biogênicas, uma vez que não interferem na composição dos gases da atmosfera. 

O outro tópico, a mudança do uso da terra, está ligado aos produtos agropecuários, pois esses precisam de solo para serem produzidos. Quando há a alteração da vegetação original por conta da inserção ou mudança de cultura e, consequentemente, no estoque de carbono daquele local, ocorrerão emissões ou remoções de GEE relacionadas a essa alteração.

Em pegada hídrica foi trabalhado o método AWARE, dedicado ao cálculo da pegada da escassez hídrica. Esse método avalia potenciais impactos relacionados ao consumo de água doce necessário para ser produzir algum produto e foi lançado no final de 2017. A CiViA é pioneira no Brasil na aplicação deste método no contexto empresarial – saiba mais aqui.

A próxima atividade da CiViA ocorre em agosto, em oficina produzida em conjunto com a iniciativa TeSE. Nesta oficina será trabalhada a relação entre ACV e valoração dos serviços ecossistêmicos.